Uma em cada cinco mulheres aos 40 anos já fez aborto no Brasil

Na fachada, o letreiro informa que o lugar é um centro médico de ginecologia e obstetrícia da capital do Pará, mas a entrada sugere uma pequena fortificação. Atrás das grades, um aborto é cometido a cada 15 minutos, com a proteção da polícia.

O repórter Eduardo Faustini e uma produtora do Fantástico se passam por um casal que precisa de um aborto clandestino para interromper quatro semanas de gestação. Sem saber que está sendo gravada, a recepcionista presta todas as informações.

Ela explica o procedimento: “São R$ 400 para fazer a interrupção nesse período. O que o doutor faz é a curetagem. Ele tira o saco gestacional e faz a limpeza do útero. Isso é uns dez, cinco a dez minutos”.

“A curetagem é um método que utiliza pinças metálicas muito rígidas, que ao serem introduzidas no interior do útero, podem perfurar a parede uterina”, explica o professor da Universidade de Fortaleza, Helvécio Feitosa.

Sem falar em momento algum sobre aborto, a recepcionista se porta como médica.
“É simples, mas você vai sentir desconfortável. Ele é experiente, são mais de 30 anos de profissão”, diz ela.
Ao ser perguntada pela quantidade de abortos que são feitos na clínica, ela garante que são muitos: “Se a gente for fazer a vontade do cliente, trabalhamos todo dia”, responde.
A equipe paga a quantia de R$30 reais pela consulta, a recepcionista sai para trocar o dinheiro e, quando volta, encontra policias militares fardados no interior da clínica. Ela explica que eles fazem a segurança do local.
“Esses são nossos seguranças. Eles vem aqui todo dia, pois a vizinhança é muito perigosa”, afirma ela.
Os policiais se sentem em casa. Felizes da vida veem televisão. A gravação foi feita durante a Copa do Mundo, era uma quarta-feira e a seleção brasileira jogaria na sexta. Eles querem saber se o médico que é dono da clínica vai trabalhar no dia do jogo. A recepcionista informa que a clínica só irá funcionar após a partida, de tarde. Rindo, um dos policias diz: “Quinta-feira é normal né, a gente vem para cá firme e forte”.

Clínica no Rio de Janeiro funciona por ordem de chegada

No Rio de Janeiro, procuramos uma clínica no bairro de Bonsucesso. Fingindo que são mãe e filha, duas produtoras buscam informações sobre uma clínica de aborto com uma mulher chamada Ana Paula, que é o contato do estabelecimento. Ela prefere informar o endereço da clínica pelo telefone, e diz que a gestante tem que apresentar o resultado de um exame de ultrassonografia.

De acordo com Ana Paula, é preciso chegar cedo ao estabelecimento, pois o atendimento é feito por ordem de chegada, e a fila fica cheia todos os dias.
Depois do primeiro contato, a produtora telefona para Ana Paula para saber qual é o método do aborto. Ela explica: “É aquele método que suga. Vai sangrar um pouquinho, depois deve parar. Aí, para mês que vem a menstruação dela volta normalmente. Não tem risco. Com certeza”, garante.

“O método da sucção, normalmente você tem um aspirador. A pressão negativa aspira o que tem dentro do útero, há o risco de perfurá-lo. Esses procedimentos podem ter complicações muito sérias”, afirma o professor da Universidade de Fortaleza.

Médico em Belém diz que o procedimento para fazer aborto é seguro

Em Belém, voltamos ao consultório do médico Fernando Guarani, em um prédio da capital do Pará. Sem saber que está sendo gravado, ele explica os procedimentos ao repórter Eduardo Faustini e a uma produtora que finge estar grávida.
“Bom, para lhe tranquilizar, esse é um tipo de problema, um tipo de solução que não tem risco. É altamente seguro. Não tem problema nenhum, assim pode ficar tranquila. A curetagem é R$ 800, a sucção é R$ 1.200 e a vácuo é R$ 1.800. Qualquer uma das três a gente faz para você, e todas as três resolvem seu problema”.

Jovem morre após fazer aborto em clínica clandestina

Agnês de Sousa Lemos tinha 26 anos e dois filhos quando teve o útero e o intestino perfurados em dezembro do ano passado. Estava grávida de cinco meses e procurou uma aborteira, que trabalhava em uma casa na região metropolitana de Fortaleza, e morreu.
“O laudo dela acusou morte por hemorragia. Anemia aguda, hemorragia, com perda de três litros de sangue”, conta Angela de Souza Lemos,irmã de Agnês,

Agnês pagou R$ 2 mil feito por Maria Nazaré Rodrigues da Silva, condenada há 20 anos pelo crime de aborto. Nazaré recebeu pena de menos de três anos de cadeia e logo voltou a abortar. Desde a morte de Agnês, ela está foragida.

“Olha o estado em que se encontra essa casa e antes de acontecer o que aconteceu, O local permanecia nas mesmas condições”, observa o Francisco Auricélio Paiva, advogado da família da vítima, sobre o local onde os abortos aconteciam.

Clínicas clandestinas não possuem estrutura para esterilizar instrumentos cirúrgicos

“Os instrumentais que são utilizados em abortos são objetos cirúrgicos e eles precisam ser submetidos à esterilização porque eles representam um grande risco se não forem processados seguramente. As pessoas que buscam as clínicas clandestinas correm um sério risco de vida, pois lá não há estrutura necessária para oferecer segurança na esterilização dos materiais”, afirma Terezinha Neide de Oliveira, funcionária do Centro de Esterilização.

Abortos permitidos por lei: em caso de estupro ou de risco à vida da mãe

Vítimas de complicações de aborto acabam tendo que ser socorridas pelo sistema de saúde público. “Temos abortos que são permitidos por lei.

O caso de Agnês não é isolado, como explica a chefe da Santa Casa de Belém, Florentina do Socorro Balbi.
“Nós temos aqueles abortos que são permitidos por lei. Então quando esse aborto não é permitido por lei, ela inicia o processo de aborto ou em casa ou em uma clínica clandestina, e posteriormente ela procura hospitais – normalmente da rede pública, para poder finalizar o que ela deve ter praticado. Às vezes, como a nossa região é uma região muito extensa, com estados distantes, às vezes a paciente tem que vir de barco para cidade, é comum elas chegarem a estados bem avançado de infecções, de problemas com hemorragia; às vezes a paciente, ela pode vir até a falecer. Fazemos em média uns 300 atendimentos-mês de pacientes com queixa de abortamento. É um índice muito alto”.

“Nós só podemos fazer o que está previsto na lei, e a lei prevê que o aborto só não é criminalizado em duas situações: estupro, a gravidez decorrente de estupro, ou quando há um risco materno inaceitavelmente alto de continuidade da gravidez”, explica o professor da Universidade Federal de Fortaleza.

Conhecemos uma clínica que é um verdadeiro feirão do aborto. Nenhuma outra clínica no Rio de Janeiro tem tanto movimento. Às seis e meia da manhã começam a chegar pais, irmãos, maridos, noivos, namorados, todos acompanhando as pacientes.

Reencontramos Ana Paula, a mulher de Bonsucesso que explicou à equipe como funciona a clínica. Mas não é Ana Paula quem dá o primeiro atendimento.

Funcionários das clínicas usam o registro profissional de médicos de forma ilegal

Sem saber que estava sendo gravada, uma mulher de jaleco branco recebe o repórter Eduardo Faustini e a produtora. Ela pede uma ultrassonografia e explica qual é a desculpa a ser dada, se o pedido de exame vier a ser questionado: “Se eles te perguntarem, diz que o médico te pediu a ultrassonografia porque sua menstruação está atrasada, é o que eu justifiquei aqui, amenorréia. Quando você terminar de fazer, dá uma ligadinha para mim e fala quanto tempo deu”.

“Nós vamos fazer a ultra e voltar rapidinho”, diz Faustini. “Deixa eu pegar um prontuário aqui”, responde a mulher. “Você está com quanto tempo?”, ela pergunta. Nos dois pedidos, o carimbo e o CRM não são de uma doutora, mas de um ginecologista e obstetra registrado no Conselho Regional do estado.

Falamos com Dr. Ronaldo José de Souza, que está de férias, fora do país. Ele se diz inocente e afirma que desconhece a clínica. O médico também afirma que vai procurar o CRM de Minais Gerais para esclarecer o que chama de uso indevido do nome e do registro profissional dele.

No rio, clínica exige presença dos pais para realizar aborto em menores de idade

Em uma clínica como essa do Rio de Janeiro, a mulher que deseja fazer um aborto encontra a sala de espera cheia. Uma mãe recebe uma receita e orientações de mais uma funcionária que fala como se fosse médica: “Você vai tomar um comprimido de seis em seis horas durante cinco dias. Ela não precisa porque ela está com pouquinho tempo; só em caso de sangramento”.

A mesma funcionária fala com o nosso produtor e diz que ali menor de idade só pode se submeter ao aborto com autorização dos pais.

“Só pode fazer com o pai ou a mãe, tem que trazer pai ou mãe para assinar o documento”, afirma a funcionária da clínica. Vem então a informação do preço diferenciado. O aborto feito em adolescente tem prioridade no atendimento e é bem mais caro.

“Menor de idade a gente passa na frente. O valor para menor de idade vai para R$ 1.500.”, explica a funcionária.

Fomos a um consultório que fica em Salvador, capital da Bahia. O repórter Eduardo Faustini e uma produtora pedem uma consulta com o Dr.Paulo Sá, médico muito conhecido na cidade.

O produtor afirma que precisa fazer uma consulta, e como sempre o clima é muito amistoso.

Médico explica alguns métodos para realização do aborto

“Ele vai olhar, examinar”, afirma a secretária. Outra secretária dá mais informações. Para explicar se o aborto é rápido ou demorado, ela afirma que o procedimento é parecido com o parto: “Varia de cada pessoa, né? Não é mais de meia hora, mas varia entre pessoa pra pessoa. Entre tempo, entre facilidade, dificuldade. É como em um parto. Tem parto que é rapidinho, tem parto que é mais demorado”, conclui ela.

Ao informar o método usado pelo Dr. Paulo, a secretária menciona outros métodos usados por outros profissionais na capital baiana: curetagem. “Quem trabalha com sucção é o médico Arlindo, que fica no Centro Médico”, ela informa.

Voltamos à Belém, no primeiro estabelecimento mencionado na reportagem, aquele dos seguranças policiais, o repórter Eduardo Faustini e a produtora são convidados a conhecer as instalações.

Nos quartos as mulheres descansam depois do aborto, como explica o dono da clínica, que não sabe que está sendo gravado.

“Tudo bem?” diz o Dr. Schiappetta. “Quando foi que a sua menstruação não veio da última vez?

“Isso aqui é como se você fosse fazer um preventivo: coloca o bico de pato, aí eu visualizo aqui o seu útero. Anestesio todinho; anestesia local que eu faço. Aí eu dilato um pouquinho o colo, como seu eu fosse fazer um parto normal. Aí com uma pinça boa tiro o saco gestacional, aí depois eu limpo o resto”, explica o médico.

“Isso demora uns dez, no máximo quinze minutos. Depois disso, faço uma medicação em você, você fica descansando uma hora, depois vai embora pra casa”, continua ele.

“É feito aqui mesmo?”, pergunta o acompanhante.

“No bloco cirúrgico”, responde a recepcionista.

“Vou atender outra moça, depois dela é a sua vez”, diz o médico.

Aparece então uma enfermeira muito simpática, ela ri quando o repórter pergunta quantos abortos já foram feitos ali.

“Meu amor! É rapidona, minha filha. Depois você tira essa parte de baixo e vista essa batinha aí. É até rápido, eu vou ficar lá com você, segurar na sua mão. Deixa comigo, que ela vai ficar tranquila”, afirma a enfermeira.

Ela ri quando o repórter pergunta sobre o número de abortos que já foram feitos no local. Quantos procedimentos, quantos abortos já fez?”, pergunta Faustini.

“Ih, um bocado”, responde ela rindo.

Em Salvador, sem saber que está sendo gravado, o médico Paulo Sá também se mostra um veterano exterminador de vidas.

“O doutor está nisso há quantos anos, doutor?”, pergunta Faustini.
“Mais de 50”, responde Paulo Sá.

“Aborto há 50 anos”, confirma Faustini. “Eu era contra”, replica o médico.

“Eu fazia por sucção. Mas também sucção é um método eficaz só pra gravidez muito pequena”, confessa o médico.

“Mas depois que vi um caso de um útero muito mole, e perfurou o útero e o intestino, e eu estava no hospital Português, e lá chegou a moça com o pai pintando o diabo lá, eu aí fiquei com medo de sucção”, conclui ele.

“Toda vez que o conselho recebe uma denúncia de que em tal lugar existem médicos formados e registrados fazendo aborto, o Conselho abre uma sindicância, proíbe o médico de fazer. Se ele persiste com isso, aí ele é cassado.

Remédios abortivos como o Citotec são vendidos na clandestinidade em algumas farmácias e mercados populares no Brasil
Não são apenas os médicos que lucram com o aborto impunemente. Um remédio abortivo que não pode ser vendido no Brasil rende muito dinheiro a farmacêuticos e também a feirantes de rua, como ocorre no famoso mercado de Belém.

Sem saber que está sendo gravado, um homem primeiro diz que não sabe de nada quando tentamos adquirir o medicamento Citotec.

“Moço, você sabe quem é que vende aqueles comprimidos Citotec por aqui?”, perguntamos.

“Vendedor, não”, responde ele.

“Não sabe onde eu consigo comprar?”, a acompanhante pergunta. “Por aqui, não. É difícil. Por aqui é muito difícil”, continua o vendedor de rua.

“O repórter e a produtora ameaçam ir embora. O homem abre o jogo.

“Só amanhã”, diz ele. “Mas que horas eu acho?”, pergunta a produtora.

“Quanto tá?”, pergunta Faustini. “Eu faço por R$ 150”, ele diz.

“Não faz mais barato, não?”, continua Faustini. “Então, R$ 150? Que horas que a gente pode voltar aqui amanhã?

“Dez horas”, ele diz.

Mesma situação em Salvador: o abortivo é vendido na rua. E a vendedora ainda posa de médica, explicando como usar o remédio.

“Vem cá. Explica como toma (o remédio)”, pede Eduardo Faustini.

“De noite, na hora de dormir”, responde a vendedora.

“Como assim, de noite, na hora de dormir?”, pergunta a amiga.

“Coloca dois e bebe um”, orienta a vendedora.
“E eu não vou morrer, não?”, pergunta a amiga.

“Está maluca? Você é doida”, responde ela.

Uma estudante universitária, que pediu para não ser identificada, conta ao Fantástico que tomou Citotec há um mês. Ela estava grávida de três meses.

“Fisicamente é horrível e emocionalmente também. Fisicamente você sente uma cólica maior que a cólica normal, de menstruação, uma dor horrível, porque expulsa de fato, o sangue vem na hora e não é sangue qualquer, parece uma torneira”, conta a estudante.
Tentamos comprar Citotec em uma farmácia em Belém. “Preciso comprar um Citotec. A senhora sabe onde tem, a senhora vende? Como é que eu faço para conseguir? Eu preciso tomar”, pergunta a acompanhante.

“Só um minuto”, ela responde.

“Quem é, para você, é?”, pergunta

“É, sou eu mesma”, responde a acompanhante.

“Há quanto tempo está atrasado?”, continua o vendedor.

“Tem mais de um mês. Um mês e uns diazinhos”, ela diz.

“Coloca dois e toma dois. Dá quatro comprimidos”, orienta o vendedor.

“Quanto que custa? “Está R$ 150”,responde o vendedor.

O balconista se torna mais um médico instantâneo que coloca em risco a saúde da população.

“Tem que fazer relaxado, tá?”, explica o vendedor. Ele deixa o telefone para que a produtora possa entrar em contato com ele no caso de alguma complicação.

Pesquisa revela que mulheres de todos os níveis sociais praticam o aborto

As situações mostradas nessa reportagem vem se repetindo todos os dias em todo o Brasil. Uma pesquisa do Instituto do Coração da Universidade de São Paulo levantou um número espantoso. Entre 1995 e 2007, a curetagem depois do procedimento de aborto foi a cirurgia mais realizada elo SUS: 3,1 milhões de registros, contra 1,8 milhão de cirurgias de correção de hérnia. A pesquisa não incluiu cirurgias cardíacas, partos e pequenas intervenções que não exigem internação.

Outra pesquisa, conduzida pela Universidade de Brasília, mostra que passa de cinco milhões o número de mulheres brasileiras que já abortaram.
“A pesquisa nacional de aborto, cobriu todo Brasil urbano, que são as capitais, e as grandes cidades, ou seja, ficou de fora o Brasil rural, porque não podíamos incluir mulheres analfabetas”, disse a antropóloga e professora da Universidade de Brasília, Debora Diniz.

“As pesquisadoras entraram na casa das mulheres, com uma urna secreta, as mulheres de 18 a 39 anos, elas recebiam uma cédula que constava de cinco perguntas, e uma delas é, ‘você já fez aborto?’, explicou Débora.

“O que nós sabemos é que uma mulher em cada cinco, aos 40 anos, fez aborto. Significam 5 milhões e 300 mil mulheres em algum momento da vida, já fizeram aborto. Metade delas usou medicamento, nós não sabemos que medicamento é esse; a outra metade, precisou ficar internada pra finalizar o aborto. O que isso significa? Um tremendo impacto na saúde pública brasileira. Quem é essa mulher que faz aborto? Ela é a mulher típica brasileira. Não há nada de particular na mulher que faz aborto”, explica a antropóloga.

Veja a reportagem no site do Fantastico

Anúncios

Sobre nemge

O NEMGE é órgão da Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade de São Paulo. Visa aprofundar, através de pesquisa empírica e estudos teóricos, as articulações entre gênero, etnia e classe social, especialmente no Brasil e na América Latina.
Esse post foi publicado em Notícias, Política, Saúde e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s