RELIGIOSOS DEFENDEM ABORTO LEGAL NA ARGENTINA

Representantes de diversas religiões pediram a descriminalização do aborto na Argentina e expressaram seu apoio à Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Gratuito.

Dezenas de organizações sociais e de gênero no país, que integram a Campanha Nacional, convocaram um festival para hoje em frente ao Congresso Nacional, para impulsionar a aprovação do Projeto de Lei de Interrupção Voluntária da Gravidez, que já foi assinado por 50 legisladores.

Durante uma conferência conjunta no Congresso Nacional, o pastor Lisandro Orlov, da Igreja Evangélica Luterana Unida, manifestou que “é necessário tirar o tema [do aborto] do Código Penal para colocá-lo na perspectiva dos Direitos Humanos, do Evangelho e dos direitos das pessoas”.

Por sua vez, a pastora Mariel Pons, da Igreja Evangélica Metodista, declarou que “limitar a discussão à descriminalização do aborto a um leilão entre quem está a favor e contra a prática é banalizá-la: ninguém pode estar a favor da interrupção de uma vida”.

No entanto, segundo ela, o problema “vai mais além desta falsa polarização: a mulher que busca o aborto o faz com angústia e tristeza. A comunidade tem que assumir esta realidade, não escondê-la, mas trazê-la à tona”.

O rabino Daniel Goldman, da Comunidade Bet El, enfatizou que “o aborto se pratica goste ou não a vizinha, o professor, o juiz, o religioso ou o legislador”. Sendo assim, questiona o rabino, “qual é o lugar do Estado, pensando que sua função é homogeneizar socialmente dando direitos e igualdade?”

A deputada federal Cecilia Merchán, uma das organizadoras do diálogo inter-religioso, ressaltou que “para nós era importante deixar de lado um debate falso, esse que dizem que por um lado estamos promovendo o aborto e do outro estão as igrejas. Mostramos que não é assim”. Merchán antecipou que dezenas de artistas e músicos, legisladores, personalidades da cultura, intelectuais, jornalistas, dirigentes sindicais e políticos aderiram à campanha.

“O aborto legal é um tema central a respeito dos direitos humanos e à saudade das mulheres”, disseram as organizações. “Sua criminalização e sua ilegalidade não impedem que sejam praticados cerca de 500 mil abortos por ano, e o fato de que não estejam garantidas condições sanitárias dignas, seguras e gratuitas aprofunda a desigualdade e faz que morram mulheres, em geral jovens e pobres”, completaram.

Fonte

Anúncios

Sobre nemge

O NEMGE é órgão da Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade de São Paulo. Visa aprofundar, através de pesquisa empírica e estudos teóricos, as articulações entre gênero, etnia e classe social, especialmente no Brasil e na América Latina.
Esse post foi publicado em Feminismo, Notícias, Política, Saúde e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s