Homossexuais uruguaios promovem ‘beijaço’ contra discriminação

Cerca de 300 uruguaios se reuniram no último fim de semana para combater a discriminação sexual com um “beijaço” na porta de um bar acusado de ter expulsado um casal de homossexuais após um beijo em seu interior.

Gays, transexuais, lésbicas e heterossexuais, convocados exclusivamente através das redes sociais, realizaram a manifestação em frente à discoteca Viejo Barreiro de Montevidéu para, entre risos, dança e música, trocar beijos a fim de denunciar a homofobia. Segundo eles, a aversão aos homossexuais impera no país, um dos mais avançados do continente em termos de legislação a respeito.

A convocação foi realizada uma semana antes, quando dois rapazes que comemoravam um aniversário no local foram expulsos pela segurança após se beijarem, segundo explicou Mauricio Coitiño, um dos porta-vozes da organização defensora dos direitos homossexuais Ovelhas Negras.

“Os rapazes disseram que era discriminação, mas mesmo assim foram jogados para fora do lugar. Diretamente foram à delegacia e apresentaram a denúncia. Depois, o discurso começou a tomar forma através do Facebook e surgiu a ideia de fazer tal atividade, que contou com o apoio da Ovelhas Negras”, disse Coitiño.

Ativistas uruguaios mostram uma placa defendendo o fim da homofobia

OUTRO LADO

Os responsáveis do Viejo Barreiro, Mariano Gambaro e Diego Fernández, negam essa versão e consideram que os dois jovens foram expulsos “por manter atitudes obscenas em público, algo que vai além de um beijo”.

“Não divulgamos publicamente nossa versão completa do assunto porque está em andamento uma investigação. Nunca fomos homofóbico e agora estamos envolvidos neste circo midiático”, disseram à Efe enquanto aguardavam o “beijaço” no interior do local, que não abriu “porque não se sabe o que mais pode acontecer”.

Mais de 6,9 mil pessoas tinham anunciado no Facebook que participariam da concentração, enquanto na rede social o debate levantou ameaças e insultos tanto a favor como contra a iniciativa.

“Isto não é um ataque ao Viejo Barreiro, é uma campanha a favor do amor, com algo que comove como um beijo. Cumpre o objetivo do movimento e já conseguiu envolver a sociedade civil. Não queremos arruinar uma casa noturna”, apontou Bruno Baumann, um dos organizadores do evento.

Lésbicas se beijam durante movimento contra a homofobia em Montevidéu

No final, os “beijadores” decidiram encerrar seu particular protesto em quatro festas divididas pela cidade e se misturaram com a multidão, que, nessas horas, festejava nas ruas a classificação do Uruguai para as semifinais da Copa América após derrotar a seleção da Argentina.

Em Montevidéu, a comunidade homossexual é bastante reconhecida, e seus bares e casas noturnas funcionam sem nenhum impedimento, apesar das queixas sobre comportamentos homofóbicos serem cada vez mais frequentes, segundo seus representantes.

Fonte

Anúncios

Sobre nemge

O NEMGE é órgão da Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade de São Paulo. Visa aprofundar, através de pesquisa empírica e estudos teóricos, as articulações entre gênero, etnia e classe social, especialmente no Brasil e na América Latina.
Esse post foi publicado em Notícias, Violência e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s